segunda-feira, 24 de agosto de 2015

«O conceito da maternidade foi esvaziado e desapareceu»

A australiana Germaine Greer, um dos maiores ícones feministas do século passado e autora do livro The Female Eunuch (1970), criticou a dupla Elton John/David Furnish por estes terem colocado o nome do David Furnish como "mãe" nas certidões de nascimento dos seus dois "filhos": Zachary, de quatro anos, e Elijah, de dois, ambos produtos da fertilização in vitro (FIV) resultantes da fusão do esperma do mesmo dador anónimo e da mesma mãe-substituta da Califórnia, que a dupla gay diz amar "como uma irmã". Crianças "sintéticas", como lhes chamaram os também gays Dolce & Gabbana e que levou ao apelo ao boicote aos produtos da marca italiana por parte do "sir" Elton que, como bem nos recordamos, pessoalmente não conseguiu levar o mesmo avante.
Germaine Greer, de 76 anos, questionou: "Por vezes penso que o problema é o conceito de maternidade, que nós não conseguimos dar algum tipo de estrutura. Sir Elton e a sua 'esposa' David Furnish colocaram nas certidões de nascimento dos seus dois filhos que David Furnish é a 'mãe'. Desculpem-me. Isso dá-nos uma ideia da forma como o conceito da maternidade foi esvaziado e desapareceu. Foi totalmente desconstruído. Nós agora temos a mãe 'genética', que fornece os óvulos. Tudo depende donde se encontra e se ela terá permissão para saber o que irá acontecer com os seus óvulos. E as mulheres normalmente tendem a ter essa preocupação. Um óvulo não é um esperma. Nós não produzimos 400 milhões deles duma vez. Um óvulo miserável aparece uma vez por mês. Depois dão-te um folículo que simula hormonas, e tu tens cerca de 17 (óvulos), e eles dão-te uma FIV a bom preço e distribuem o resto dos óvulos da forma que eles querem. Em alguns sítios tu tens permissão para saber o que aconteceu com os teus óvulos, mas noutros sítios não. O que nos resta é uma conta reduzida de FIV visto que a criança está a nascer através das pessoas envolvidas e usando os teus óvulos. Desculpem-me perguntar isto, mas alguém discutiu isto? Será que alguém se sentou e perguntou o que os óvulos significam para as mulheres?"
A FIV é um método que não passa duma manipulação de seres humanos, decidindo se estes podem ou não nascer, sendo portanto algo contrário à Natureza (afinal de contas, é um processo artificial). Se os óvulos fecundados já são seres humanos pelo princípio da concepção, pouco importa se eles são ou não depois congelados porque já estão automaticamente a correr o risco de vida. Cada vez mais a medicina tem-se especializado e mostrado o que acontece com os embriões, o que comprova que são seres humanos desde a fecundação, o que também é o mesmo que afirmar que são seres humanos que estão a ser objectos de experiência (acumular de embriões congelados para pesquisas, aborto selectivo/risco de eugenia, etc.). Por outras palavras, a FIV é como o aborto.

2 comentários:

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

MAS QUE MATERNIDADE?JOGAR FORA?

FireHead disse...

Não. Tens que ler melhor o texto. Um homem não pode nunca, jamais, nem daqui a centenas de milénios, abraçar a maternidade - nem mesmo que mude de sexo.