quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Argumentos fracos contra o "casamento" entre pessoas do mesmo sexo

Certas afirmações mais atrapalham do que esclarecem o conceito de "casamento"
 
 
Os defensores radicais das uniões entre pessoas do mesmo sexo ficaram tão arrogantes que começaram a criminalizar quem pensa diferente. Tudo em nome da "tolerância", é claro. Em Québec, no Canadá, um ministério do governo andou fazendo parceria com activistas homossexuais para monitorar e punir as manifestações contrárias às uniões do mesmo sexo, acusando-as de "incitação ao ódio".

Brian Brown, presidente da Organização Nacional para o Casamento, dos EUA, afirmou durante uma conferência de lideranças católicas em Charlotte, no mesmo país:

"Os defensores do casamento natural estão sendo tachados de racistas. Os nossos pontos de vista estão sendo deslegitimados e nós estamos sendo estigmatizados. Em breve, poderemos ser legalmente processados. Isto significa que qualquer igreja cristã que defende o casamento tradicional será tratada como a Universidade Bob Jones quando aplicava políticas racistas. Este é o futuro, a menos que lutemos contra ele”.

Se você acha que Brian Brown está sendo alarmista, observe o que está acontecendo em outros “países livres”. Na Dinamarca, o governo ordenou que as igrejas luteranas celebrem cerimónias de casamento entre pessoas do mesmo sexo. No Canadá, uma escola católica particular foi obrigada por juízes a parar de ensinar a moral sexual cristã. Você acha que as autoridades de outros países vão agir de modo diferente depois que os cristãos ficarem marcados como moralmente equivalentes aos skinheads? Não é de admirar que radicais lésbicas de topless se sentiram confiantes o suficiente, na Europa, para atacar um arcebispo católico idoso que estava explicando a moral sexual cristã: elas sabiam que o seu ataque covarde passaria batido. E passou mesmo.

É evidente que nós, cristãos, estamos perdendo: não só perdendo o apoio do Estado à lei natural, mas também a nossa própria liberdade real, no dia-a-dia, para praticar a nossa fé. Os fiéis cristãos estão sendo expulsos para fora dos limites de uma sociedade "aceitável".

O que está menos claro é o porquê de estarmos perdendo. Equiparar a união homossexual ao casamento, até recentemente, parecia tão ultrajante a ponto de um grande “moralista cristão” como Bill Clinton liderar o esforço para proibi-lo nos Estados Unidos. Como foi que ele se tornou de repente uma "questão de direitos civis" aparentemente intocável?

O que aconteceu foi que nós não conseguimos argumentar de forma eficaz, e, por falta de pensar, cedemos à oposição as premissas maiores. Nós pensamos com o coração e sentimos com a cabeça e, de modo geral, não conseguimos defender nem a fé nem a razão. Agora é hora de começar do zero.

Vamos listar assim, para começar, os argumentos que NÃO devem ser usados:


1. “Temos que defender o conceito teológico de casamento”.
 
Não estamos engajados numa acção de rectaguarda para proteger a santidade do sacramento do matrimónio, consagrando-a na lei. Essa batalha já foi perdida depois da Revolução Francesa, quando o casamento civil foi reconhecido pelos legisladores iluministas. Não aspiramos a proibir o divórcio e o novo casamento, nem a confiar a tribunais diocesanos a lei civil sobre o casamento.


2. “Tememos que o nosso próprio casamento seja afectado quando esse mesmo termo for usado para descrever também as uniões homossexuais”.
 
Na verdade, nós aprendemos a conviver com vizinhos recasados​​, cujas relações não se encaixam na nossa definição sacramental, e poderíamos igualmente viver ao lado de casais homossexuais – se a santidade da terminologia fosse a única coisa em jogo.


3. “Somos contra as uniões homossexuais porque o que ‘essa gente’ faz nos dá nojo”.
 
O factor “eca!” é fraco demais para fazer distinções morais. Aliás, ele poderia ser igualmente usado para proibir os casamentos com pessoas feias. O casamento inter-racial já foi considerado, por milhões de americanos, tão repugnante quanto a sodomia. Mas proibir a miscigenação sempre foi um erro. A nossa objecção às uniões entre pessoas do mesmo sexo não é visceral, mas moral.  
  

4. “Somos contra as uniões de parceiros do mesmo sexo porque elas prejudicam mais ainda uma instituição que já é frágil: o casamento”.
 
É verdade que o número de casamentos caiu e que a quantidade de divórcios é alarmante. Mas isto é um problema do comportamento heterossexual, que antecede (e pode ter ajudado a reforçar) o movimento dos "direitos gays". Se tentarmos jogar a culpa em outras pessoas, seremos vistos, com toda razão, como imbecis.


5. “Somos contra as uniões de parceiros do mesmo sexo porque o comportamento homossexual viola as normas morais cristãs”.
 
Mesmo isto sendo verdade, não tem base constitucional para justificar uma lei na maioria dos países. Até argumentos baseados na lei natural contra os actos homossexuais podem ser aplicados igualmente à contracepção, que não estamos tentando tornar ilegal. Decidam com mais clareza quais são as suas batalhas prioritárias, senhores.


6. “Estamos preocupados porque as uniões homossexuais vão levar ao reconhecimento legal da poligamia, ou de homens se casando com seus cachorros ou com seus carros”.
 
Sério: quem daria bola para um “argumento” desses? Todas as objecções desse tipo, que podem nos ocorrer espontaneamente e até ajudar a motivar algumas pessoas, são ilógicas e retoricamente inúteis.


Mas existe um poderoso e válido conjunto de argumentos em favor do casamento entre pessoas de sexos opostos – e, portanto, complementares e abertas à vida.

A tese é simples: o casamento não é uma questão de direitos de propriedade nem de policiar o comportamento sexual dos dois parceiros adultos que se unem. A única razão pela qual o governo tem algum motivo para se intrometer na união romântica particular dos seus cidadãos é o envolvimento de terceiros inocentes e indefesos: os filhos. Se os bebés viessem mesmo da cegonha ou brotassem no jardim, o governo não teria absolutamente nenhuma razão para tentar impor um quadro jurídico para os relacionamentos amorosos. Seria mera tirania.

Mas o casamento existe como facto jurídico para salvaguardar os direitos e interesses dos filhos e, por extensão, das suas mães. É por isso que o Estado não está ultrapassando os seus limites quando tenta incentivar os homens a dar apoio aos filhos que geraram; mais do que isso, a ficar junto deles e ser seus pais de verdade. O natural é que os filhos cresçam com dois pais de sexos opostos, porque é de um homem e de uma mulher que, por natureza, eles vieram ao mundo. A lei deve incentivar essa configuração familiar natural. Ter pai e mãe presentes é a experiência humana primordial da família. O ónus da prova em contrário cabe aos experimentalistas sociais que afirmam que casais do mesmo sexo, pais solteiros ou ménages poliamorosos têm natureza igualmente benéfica para as crianças (e as pesquisas acumuladas até agora só demonstram o contrário).

O ponto crucial pode ser abordado de modo mais simples e eficaz. Pergunte a alguém que afirma apoiar uniões do mesmo sexo: "Você acredita mesmo que é plenamente saudável para um menino crescer sem nenhum homem em casa? Que é plenamente saudável para uma menina crescer sem nenhuma mulher em casa? Os sexos são indistinguíveis a ponto de serem vistos como unidades intercambiáveis​​?". Se você focar no verdadeiro bem a ser protegido pelo casamento natural, que é o interesse das crianças, aí sim pode começar um diálogo verdadeiro.
 
É claro que o debate não vai acabar nisso. As implicações lógicas do casamento focado nas crianças vão muito além da recusa do governo a reconhecer as uniões entre parceiros do mesmo sexo ou as adopções de crianças por parceiros homossexuais. Se enxergarmos o casamento não como um contrato sexual temporário, mas como uma estrutura estável para a criação de filhos, precisaremos reexaminar as leis do divórcio, que focam exclusivamente nos desejos e interesses dos adultos. Poderíamos reconsiderar também o uso da fertilização in vitro para satisfazer os desejos de casais inférteis à custa de milhares de embriões "excedentes", ou abortados ou deixados no limbo em congeladores de todo o planeta. Teríamos que repensar uma série de coisas.

Se deixássemos de ser grosseiramente egoístas, um novo mundo se abriria. E esta é uma das ideias-chave do Evangelho. A proposta cristã não é a de "ser contra". É a de ser a favor. A favor de bens maiores e transcendentes, a começar pela geração natural, amorosa, responsável e santa da vida, no seio de famílias naturalmente formadas por um pai e uma mãe, complementares um ao outro, fiéis um ao outro, que não consideram ninguém como "um direito", mas como um dom.
 
 
John Zmirak
 
Fonte: Aleteia 

Sem comentários: