sexta-feira, 10 de julho de 2015

Até já se usa linguagem bíblica no Parlamento!


Na Assembleia da República, o pateta do líder parlamentar dos súcias, Ferro Rodrigues, travou um debate tenso com o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho. Ferro Rodrigues apontou ao Executivo "sete pecados capitais" resultantes do "empobrecimento do Estado da Nação" e do "enfraquecimento dos cidadãos", referindo-se ao estado do défice da balança comercial, ao crédito mal parado, às dívidas à Segurança Social e à "regressão" no nível de vida da generalidade dos portugueses e à taxa de população emigrada, ao qual o primeiro-ministro respondeu com as "dez pragas socialistas" referentes à governação súcia entre 2005 e 2011, começando pelas "obras faraónicas e pelas parcerias público-privadas (PPP)" no sector rodoviário, passando pelos sucessivos PEC (Programas de Estabilidade), as "enormes desigualdades sociais" geradas pelo pedido de resgate de Portugal, a existência de um "défice a rondar os 10%" e o "completo desgoverno que reinava no sector empresarial do Estado", terminando com a "nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN)", a existência de um elevado défice tarifário na electricidade, "um desemprego estrutural a rondar os 10%" e o facto do PS ter levado Portugal "a um endividamento galopante, com o aumento a atingir os 20 pontos percentuais". "Já agora, o PS fala em vergonha das privatizações. Mas digo-lhe que o encaixe financeiro feito nesta legislatura atingiu o dobro daquele que estava previsto pelo último governo socialista", atirou ainda Passos Coelho esta posta a Ferro Rodrigues.
Assim é que é, senhor primeiro-ministro, sem papas na língua! Contra os súcias tem mesmo que ser assim! É preferível Portugal manter a actual coligação do que voltar a ter o partido dos coveiros que já chamou três vezes a troika para o país! Do mal, o menos.

2 comentários:

Dylan disse...

Desculpa mas acho que os dois intervenientes estiveram mal. Sim, os dois!

FireHead disse...

Sim, que o Passos Coelho se calhar devia era ter-se limitado a ouvir o palerma do socialista a falar sem lhe responder à altura...