segunda-feira, 13 de julho de 2015

A decapitação de Sophie Scholl também é uma "invenção filo-sionista"?

Sophie Scholl (1921-1943)
"Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem." - Jesus Cristo, 
«Lucas 23, 34» 

Seguem por aí no mundo real e no mundo virtual uns "inteligentes" que insistem em continuar a defender o indefensável e insultam e atacam qualquer um que discorde da sua "cassete". 

Falo-vos neste caso daqueles que persistentemente insistem em negar os crimes verdadeiramente horripilantes e contrários a toda e qualquer ética ou moral, cometidos pelo regime nacional-socialista alemão durante os doze anos do seu reinado de terror (1933-1945). 

Quem me conhece pessoalmente sabe que eu nunca alinhei no mantra do politicamente correcto e sempre disse e repito que há determinados problemas que só se conseguem resolver à paulada e ao tiro. Não sou por este mesmo motivo um pacifista no sentido convencional do termo. Acredito e defendo a paz e a ordem, mas também acredito, que para que uma dada sociedade possa manter as mesmas, por vezes é necessário recorrer a métodos que implicam a utilização da violência. 

O emprego da violência tem por isso justificação em determinadas situações, mas não há nada neste mundo que possa justificar o nível de violência e agressão extrema que foi regularmente utilizado pelo regime nazi para silenciar opositores, perseguir judeus e outras minorias étnicas e atacar e saquear meia Europa sem qualquer justificação credível. 

Infelizmente, os últimos anos de grave crise económica e social na Europa têm levado a um crescimento incontestado do número e tamanho de grupos neonazis ou para-nazis, dos quais o mais famoso e poderoso de todos é sem sombra de dúvida a temida Aurora Dourada grega. 

O crescimento destes grupos que se auto-rotulam de "nacionalistas", mas que na realidade pouco ou nada sabem sobre as teses e raízes do verdadeiro nacionalismo clássico nascido da Revolução Francesa de 1789, são hoje os maiores proponentes do negacionismo do holocausto e outros crimes cometidos pelo regime nazi. 

As alegadas "provas" desta gente para afirmar que o holocausto nunca existiu, não passam de teses mal construídas e desprovidas de sustentação científica. Claro que estes neonazis ficam muito chateados quando lhes jogamos isto em cara e não tardam a passar ao ataque e à ofensa, nomeadamente, rotulando toda e qualquer alma que discorde deles de "filo-sionistas" e "lacaios do sionismo e da judiaria", entre muitos outros "elogios" com que eu já fui premiado ao longo dos anos, tanto por parte da extrema-direita neonazi, como por parte da extrema-esquerda marxista. 

O objectivo destes grupos neonazis, é o de como já se disse, defender o indefensável, ou seja, "humanizar" o regime nacional-socialista alemão e colocá-lo na posição de vítima inocente de uma alegada "grande" conspiração sionista para dominar o mundo. De facto, isto é a prova de que o ridículo não mata... 

Já que o regime nacional-socialista era tão "humano", então eu gostava que esta gente me explicasse onde é que estava essa tal "humanidade" quando em 1943 decapitaram na guilhotina uma jovem estudante anti-nazi e activista cristã de apenas 21 anos, chamada Sophie Scholl?[1] 

Será que cortar a cabeça a uma rapariga de 21 anos, apenas porque esta distribuiu alguns panfletos contra o regime nazi, será que isto também é uma "invenção filo-sionista"? 

Para quem não saiba, Sophie Scholl foi uma estudante alemã da Universidade de Munique que pertenceu ao grupo de resistência anti-nazi Rosa Branca[2], um movimento de inspiração cristã, não-violento e cujas únicas actividades anti-regime eram basicamente a distribuição de panfletos e a elaboração de alguns grafitis.

Em Fevereiro de 1943, Sophie Scholl foi presa pela Gestapo, acusada de traição à pátria e condenada à morte pelo fanático juiz nazi Roland Freisler. Menos de vinte e quatro horas depois de ser sentenciada, foi decapitada na guilhotina instalada na prisão de Stadelheim. O seu único "crime", havia sido o de distribuir alguns panfletos que apelavam à resistência do povo alemão contra o regime nazi e que denunciavam as atrocidades cometidas pelo mesmo. 

Sophie não foi a única vítima do regime nazi a ser executada por resistir contra a injustiça. Como Sophie, houve muitos e muitas mais em todos os países por onde a demência nacional-socialista passou. Na Polónia, França, Grécia, Holanda, Bélgica, União Soviética e demais países vítimas do assassino e selvagem saque nazi, não faltaram patriotas que também distribuíram panfletos, atacaram tropas alemãs, sabotaram caminhos de ferro e resistiram e defenderam a sua honra e a dos seus como puderam e conseguiram contra o assalto da barbárie. Alguns destes ainda estão hoje vivos para contar as suas memórias de guerra aos seus netos, mas houve muitos outros que não tiveram tanta sorte e foram decapitados como Sophie ou selvaticamente torturados até à morte pelos facínoras da Gestapo e das SS. 

Que nós portugueses nunca nos esqueçamos que também podíamos ter sido nós a cair vítimas da total falta de escrúpulos do nacional-socialismo alemão, e que foi apenas uma mistura de muita sorte e muita habilidade diplomática por parte do professor Salazar, que permitiram que nos tivéssemos livrado deste terror sem limites. 

Ver hoje pessoas a defender um regime que cometeu este tipo crimes sem paralelo na história da humanidade, pessoas que dizem ser "nacionalistas" (só se a nação deles for o reino de Satanás...) e que chamam "filo-sionista" e "lacaio do sionismo e da judiaria" a qualquer um que coloque estes factos em evidência, não só me revolta o estômago, como me deixa seriamente enojado com a profunda falta de respeito que isto representa para com as vítimas e as famílias das vítimas. 

Ou são ignorantes, ou são maldosos, não há outra explicação possível.

___________________________________________________ 

Notas: 
[1] WIKIPEDIA - Sophie Scholl. Link: https://en.wikipedia.org/wiki/Sophie_Scholl 
[2] WIKIPEDIA - White Rose. Link: https://en.wikipedia.org/wiki/White_Rose 


João José Horta Nobre
Julho de 2015

12 comentários:

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

OS CRISTÃOS DOS EUA E EUROPA DÃO GRANA PRA NATO-CIA QUE DÁ GRANA PRA JUDEUS E ISIS PRA DESTRUIR OS CRISTÃOS NO LESTE AOS MONTES MAS DEPOIS VAI VER FOI O REICH - ESSA TRAIDORA DEVIA TER MORRIDO OS METODOS DE JAVA PODERIAM TER SIDO MELHORES

Lura do Grilo disse...

Já tinha publicado um post sobre esta corajosa jovem. Não foi só ela ... foi também o irmão. É curioso como os juízes se adequam facilmente a qualquer regime: faz-nos perder a fé neles. È como um padre pedófilo: morre ali o seu magistério.

FireHead disse...

KVRGANIVS NOSTRATORVM,

Quem mereceu mesmo ir com os porcos foi o teu queridinho do tio Adolfo, hehe.

FireHead disse...

Lura do Grilo,

A última frase do texto explica tudo, meu caro.

Anónimo disse...

Nem li .

FireHead disse...

Anónimo,

Não perdes nada em fazê-lo. O blogue História Maximus é mais um daqueles blogues "nacionalistas" e "católicos conservadores" dos bem chatos.

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

Quem mereceu mesmo ir com os porcos foi o teu queridinho do tio Adolfo, hehe.

1)O TIO ADOLFO NÃO MORREU, ELE FOI PRA MANSÃO LUNDGREN OU PATAGONIA OU AMBAS

2)ELE QUIS SALVAR O HEMISFERIO TEUS DONOS QUE DESTRUIRAM TUDO

FireHead disse...

Não morreu? Ainda está vivo??? Xiiiiiiiiiiiiii.

Quis o quê? Hahahaha. Os teus donos foderam-te bem.

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

AS VEZES NÃO DA PRA CONVERSAR CONTIGO POIS JA SAI DA DISCUSSÃO E FAZ UM POST SEM SENTIDO

FireHead disse...

Tu é que escreves merdas sem nexo e parvo sou eu por te dar tempo de antena aqui e sobretudo perder o meu próprio tempo em te responder...

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

KK COMO SE EU OBRIGASSE A ME RESPONDER JA TEVE ATE POST MEU QUE ERA DIRECIONADO A OUTROS E TU VEIO RESPONDER

FireHead disse...

Não, aqui ninguém me obriga a nada. Posso é voltar a censurar quando me fartar de andar para aqui a responder comentários à barda.