quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Da Igreja laxista à Igreja agnóstica

Um Deus que não pede mais nada aos homens é como se não existisse. Este é o desfecho trágico de uma Igreja pós-conciliar que, esposando uma visão mundana da misericórdia, chega a um agnosticismo prático. Sim, porque se é verdade que existe um ateísmo prático, aquele que vive como se Deus não existisse, apesar de não negar explicitamente a Sua existência, existe também um agnosticismo prático, aquele que fala de um Deus que permanece desconhecido, que não fala com clareza aos homens, de quem o homem consegue aquilo que quer dependendo da ocasião, um Deus que, no fundo, existe só para beneficiá-lo, sem pedir muito.

Parece ser justamente essa a situação de grande parte do Catolicismo hodierno, concretamente vivido pela maioria dos baptizados.

Prega-se um Deus puramente misericordioso, um Deus de consolação, que não pede a conversão pessoal, que não pede uma mudança de vida. Um Deus pronto para acolher os novos rumos da sociedade, pronto para declarar que as imoralidades, se vividas com o coração, no fundo não são propriamente imorais. Os debates em torno do último sínodo dão amplo exemplo disso. O matrimónio não existe mais no nosso Ocidente decadente, então vamos apressar-nos em dizer que Deus não pede uma indissolubilidade absoluta. As pessoas não se casam mais, então vamos apressar-nos em dizer que, se no convívio houver amor sincero, isso de alguma forma compensa o sacramento... E discursos como esses, não só referentes ao matrimónio, poderíamos citar vários.

No fim das contas, podemos dizer que estamos diante de uma nova mensagem de Deus, de um Deus que não pede nada aos homens, de um Deus que não proíbe nada. Na época da revolta estava em alta o termo “é proibido proibir”; hoje este slogan habita na Igreja renovada, na Igreja do pós-Concílio. “É proibido falar de um Deus que proíbe”: parece ser este o slogan com o qual se redesenhou os quadros dos católicos comprometidos e sobretudo do clero. Querem um clero que acolha, sem recordar o dever urgente da conversão. É proibido falar de castigo, de penitência, de temor de Deus. As pessoas necessitam de consolação, dizem, precisam de recuperar a confiança na Igreja — então, por favor, não proíbam! É um refrão maçante.

Com uma borracha se apaga toda a Sagrada Escritura, todo o Evangelho e todo o Antigo Testamento. Fala-se de um Deus que não cabe na Revelação, de um Jesus emprestado do laicismo maçónico, que não corresponde a nenhuma passagem do Evangelho. Um Senhor que não indica a estrada da vida, pedindo aos homens para se afastar do pecado — mas um Senhor que se apressa em contemplar o que os homens fazem em sua embriaguez de pecado.

Mesmo os esforços da hierarquia parecem destinados a controlar apenas aquela parte da Igreja que insiste em pregar um Deus que perdoa os pecados, que castiga o pecador, para que o homem possa se arrepender e voltar a uma vida santa. O “é proibido falar de um Deus que proíbe” transformou-se em “chega de uma Igreja que proíbe”. Com efeito, ainda há algo proibido em nossas paróquias e em nossas igrejas?

É de se perguntar o que pensam, fiéis e pastores, quando na Missa é proclamada a Palavra de Deus, quando escutam os profetas que anunciam os castigos de Deus e convidam à conversão, quando no Evangelho se fala dos últimos tempos, do Juízo Final e do retorno glorioso de Cristo.

Justamente nos anos em que se fala tanto, na Igreja, do diálogo com os judeus, o Antigo Testamento é censurado por completo. É um Deus moderno que está no centro de muitas igrejas, um Deus burguês que abençoa as escolhas emancipadas dos homens, em sintonia com os tempos, um Deus que não pede mais nada para ninguém.

Mas toda essa falsidade já está castigada. Sim, porque um Deus que não te pede nada é um Deus que, de facto, não existe. Isso é verdade também no dia-a-dia das pessoas: o que não faz o homem diante de um Deus que sempre lhe dá razão?

Nós cavamos o nosso próprio túmulo.

O Catolicismo modernizado cavou a sua própria cova: pregando um Deus que é pura condescendência, transformou-se num Catolicismo agnóstico, que apesar de não negar a existência de Deus, vive independente de Deus, porque para ele Deus é desconhecido. Se Deus sempre me dá razão, se sempre abençoa as minhas escolhas, se sempre se ajusta a mim e à minha vontade, Deus desaparece da minha vida. É a tragédia da Igreja pós-conciliar, que se tornou agnóstica.

É por isso que na Igreja de hoje se fala tanto da própria Igreja e do mundo, e quase nunca de Deus.

Vivendo o Santo Natal recordamos, porém, que Deus veio ao mundo, se fez Homem, mostrou o Seu rosto, falou-nos através dos séculos no Antigo e no Novo Testamento, nos ensinou e nos pediu, e nós devemos escutá-Lo e obedecê-Lo. E a Igreja deve ser simplesmente o eco fiel do Senhor que fala.
 
 
in Radicati nella fede (Dezembro de 2014)
Traduzido por Carlos Wolkartt in Renitência

“Dizer que estes fanáticos nada têm a ver com o islão é o cúmulo do politicamente correcto e é contraproducente”

 
O psicólogo e antropólogo franco-americano Scott Atran, um estudioso acerca do extremismo e do islamismo, concedeu uma entrevista ao esquerdista Público em que diz que os terroristas muçulmanos, como os que atacaram o Charlie Hebdo em Paris ou os marroquinos de nacionalidade espanhola que foram detidos por planearem "massacrar a Europa", têm como motivações a "aventura, glória, importância".
"Os atacantes franceses eram muito semelhantes aos bombistas de Madrid ou do metro de Londres. Inspiram-se nos líderes jihadistas, sentem-se atraídos pelo Estado Islâmico ou pela Al-Qaeda, mas não são estes grupos que os identificam, os criam ou lhes fazem uma lavagem ao cérebro", afirmou Atran, de 62 anos, que acrescentou que não existe "islão moderado": "É uma versão ocidentalizada do 'bom muçulmano'. Ouço frequentemente os políticos e a imprensa pregar o 'islão moderado' como sendo uma solução. É estúpido. Eu pergunto-lhes: 'Não têm filhos adolescentes? Desde quando é que eles querem coisas moderadas? Querem heróis, querem ser importantes, querem aventuras, glória, a realização de ideais jovens. E o que é que as nossas democracias lhes oferecem? O sonho dos centros comerciais. A jihad é a única ideologia 'anti-establishment' sistémica que está a crescer no mundo. E uma reacção idiota a essa realidade, associada à publicidade histérica e ao medo, garante o seu crescimento continuado".
E o que dizer daqueles que têm medo de ser acusados de islamofobia se ligarem a jihad ao islão? "Que se pensam isso, nem a lógica nem os factos os conseguirão ajudar. Dizer, como François Hollande, que estes fanáticos nada têm a ver com o islão, é o cúmulo do politicamente correcto e é contraproducente. Em vez de encarar esta tendência brutal do islão radical e as razões pelas quais ela é tão atraente, nega-se simplesmente a sua existência, à maneira de uma avestruz. Considera-se que se trata de niilismo, de fanatismo ou de um disparate desse género. É ser-se deliberadamente cego ao que está a acontecer e ao que é preciso fazer. O que é preciso fazer? Primeiro, perceber que o jihadismo, tal como o nazismo, é motivado por um real sentido de virtude moral. Porque sem virtude, não seria de todo possível fazer o voto de matar tanta gente que nunca fez mal a ninguém. Em segundo lugar, as pessoas mais ameaçadas pelos jihadistas devem ser encorajadas e capacitadas para se rebelarem contra eles".
O Scott Atran é apenas mais um que sabe o que é que é verdadeiramente o islão. Os jihadistas são os verdadeiros muçulmanos e os "muçulmanos moderados" não são verdadeiramente muçulmanos, e ainda que felizmente os primeiros sejam muito menos que os últimos, eles é que representam verdadeiramente o islão (imaginemos agora que todos os que se dizem muçulmanos cumprissem de facto o que pede o islão!). Negar esta evidência é papar grupos do politicamente correcto.

«A diferença entre Paris e Hong Kong é a educação»

Protesto muslo contra as caricaturas do porco e pedófilo do Maomé em Hong Kong (2006)
O líder da União Islâmica de Hong Kong, Rahmatullah Mohamed Omar, disse à agência Lusa que o ataque ao Charlie Hebdo em Paris e o clima de tensão que se sente na Europa em torno das comunidades muçulmanas são fruto de um "conhecimento deficitário" sobre o islão. "A diferença entre Paris e Hong Kong é a educação. Depende de quem ensinar sobre o islão. Aqui, os nossos imãs falam de moderação", garantiu. Em Hong Kong, uma região administrativa especial da China que conta com cerca de 7,5 milhões de habitantes, vivem à volta de 300 mil muçulmanos, grande parte deles proveniente do Paquistão, mas também há muitos da Índia, da própria China (das regiões muçulmanas de Xingjian ou Ningxia), da Malásia ou da Indonésia. É a União Islâmica de Hong Kong, situada em Wanchai, que mantém activa a mesquita de Macau, localizada no Ramal dos Mouros, fornecendo apoio financeiro, além de quatro das seis mesquitas existentes no território vizinho e as 15 madrassas onde por exemplo se "ensina" o Alcorão às crianças após o horário escolar. "O governo sabe que não somos extremistas e que estamos a promover o islão como algo pacífico e tolerante", acrescentou Rahmatullah que até estudou num colégio católico e diz perceber bem a importância do diálogo interreligioso. Já o imã Uthman Yang reconhece que "é verdade que alguns muçulmanos são muito agressivos" (só alguns??), mas o Alcorão "ensina-nos a ser pacientes e tolerantes" (ai ensina? Onde está isso escrito?). "O Estado Islâmico, por exemplo, é contra os ensinamentos do islão", sublinhou.
300 mil em 7,5 milhões é uma minoria. Logo, os muçulmanos de Hong Kong fazem uso da taqiyya, que significa dissimulação religiosa, tal como faz qualquer comunidade muçulmana que é minoritária num país. A táctica islâmica é a seguinte e isso a História não nos deixa mentir: quando eles são muito poucos, pregam e clamam pela tolerância e pela igualdade de direitos; quando são uma minoria mais composta, começam a exigir coisas, como novas mesquitas, alimentação halal, etc.; quando já forem uma minoria significativa, aí fazem o que já fazem em zonas por eles controladas dos países cada vez mais islamizados como a França, a Bélgica, a Alemanha ou o Reino Unido, isto é, introduzindo de forma ilegal a lei da sharia e as patrulhas islâmicas para garantir o funcionamento da sharia, e fazendo aumentar a possibilidade de haver atentados terroristas.
É verdade sim senhor que nem todos os muçulmanos são terroristas e que há muito deles que até são pessoas de bem. Mas o islão não é de maneira nenhuma uma "religião da paz". O islão é na verdade um culto de morte que tem como divindade o ídolo lunar de Meca do antigo paganismo árabe, sendo um paganismo refinado que valoriza preceitos tipicamente pagãos como a morte em forma de sacrifício e a "guerra santa" juntamente com a matança ou a imposição da conversão aos "infiéis" como forma de expansão. A História da Europa que o diga. Ou basta-nos a nossa própria História, lembrando-nos como é que Portugal nasceu.

Pedras contra a PSP em Chelas

 
A PSP recebeu a denúncia de que dois «jovens» estavam a roubar coisas num supermercado do Pingo Doce em Chelas, Lisboa. Depois de reagirem com violência, os dois acabaram por ser detidos, por volta das 23:00, mas quando estavam a sair do Pingo Doce, os agentes da autoridade foram atacados com pedras por um grupo de «jovens» amigos dos «jovens» assaltantes, tendo alguns deles sido identificados.
Só pode ter sido obra de gente pré-histórica.

Mas que raio de professores Portugal tem??

 
Em Portugal, 34,3% dos professores chumbaram na prova de avaliação docente de capacidade e conhecimentos (PACC) realizada em Dezembro, eis o triste resultado que o Instituto de Avaliação Educacional (IAVE) revelou. "Há um conjunto de professores que não reúnem condições para o ensino", criticou Hélder de Sousa, o presidente do IAVE. 20% dos docentes (498) deram respostas com cinco ou mais erros ortográficos. "Há uma incidência de erros cristalizados em regras básicas como a questão do a com ou sem h, ou quando se usa o c com cedilha. São erros que se perpetuam para os alunos", observou. Dos 2490 docentes que fizeram a prova, 29,1% (722) deram respostas com um ou dois erros ortográficos e 34,7% (871) não apresentaram erros nas respostas. O ministro da Educação, Nuno Crato, que defende a PACC como necessária para a escolha dos melhores professores, respondeu à comuna Rita Rato, no Parlamento, que disse que a PACC só serve para "achincalhar os professores contratados e dificultar o acesso à carreira", com a pergunta: "Temos um número de candidatos muito superior ao número de lugares. Há algo de errado em pensar do ponto de vista dos alunos e querer os melhores professores?" E disparou: "Não faz sentido que um professor dê 20 erros ortográficos numa frase".
Ó que vergonha, senhor ministro!! Tens que ter mais respeito pelos professores, principalmente por aqueles que dão aulas já à muito tempo! A gente vamos protestar e é já! Hádes ver o que é que é bom para a toçe! Começas-te com a guerra e agora os professores, que são licenciados (não se sabe é muito bem como), vão continuar na luta! 25 de Abril, sempre! Fassismo nunca mais!!

Tuga descobre novo sistema solar com cinco "Terras"

 
O astrofísico português Tiago Campante, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, liderou um grupo internacional de 41 investigadores que descobriu um sistema solar com cinco planetas idênticos à Terra e que se formou numa fase ainda jovem do universo, há qualquer coisa como 13,8 mil milhões de anos (o universo ter-se-á formado há 13,8 mil milhões segundo os astrofísicos). "É o mais antigo sistema planetário com planetas do tamanho da Terra e um dos mais fascinantes sistemas planetários conhecidos até hoje", disse Tiago, que não tem dúvidas em classificar a descoberta como "espectacular" por mostrar que "a formação de planetas aconteceu mais cedo no universo do que até agora se supunha". E acrescentou: "até há cerca de dois anos, por exemplo, não esperaríamos encontrar algo assim".

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O Benfica escorregou

 
Afinal o Benfica não cumpriu com a sua obrigação que era vencer o Paços de Ferreira no Estádio da Capital do Móvel, que dantes se chamava Estádio da Mata Real, para alargar a vantagem pontual na liderança para nove pontos. Numa jornada em que as equipas que ocupam o pelotão da frente perderam pontos à excepção do Sporting (o grande vencedor da 18.ª jornada), o Benfica quis ser solidário e deixar tudo na mesma que é para que certas equipas possam ainda sonhar em conquistar o título de campeão.
Levantei-me de propósito para assistir ao jogo, que passou na RTP Internacional às 4:00, na esperança de ver o campeão nacional cimentar ainda mais a liderança, mas acabei por ver um jogo em que o Benfica praticamente foi dominador mas que não teve sorte nenhuma na finalização (houve um penalty desperdiçado por Lima, que chutou à barra, e mais dois remates que foram igualmente à barra da baliza do guarda-redes Rafael Defendi). A equipa não soube arranjar motivação necessária para aproveitar a derrota do adversário directo na véspera e acabou por sofrer um golo que já não sofria há uma porrada de tempo (Júlio César tão cedo já não baterá o recorde do mítico Manuel Bento), ainda por cima de grande penalidade (bem assinalada) já depois dos 90'.
O Benfica perdeu por culpa própria. Acontece. Tudo na mesma, portanto. Depois do jogo voltei novamente para cima dela (cama) e dormi mais um pouco, pois só entro às 10:00. Infelizmente só tenho dado azar quando me levanto de propósito durante a madrugada para ver jogar o Benfica...

Armstrong admite que "provavelmente" voltaria a dopar-se

 
O antigo ciclista americano Lance Armstrong, irradiado do desporto por ter-se dopado, reconheceu, em entrevista à BBC, que "provavelmente" voltaria a dopar-se em 1995, "quando o doping estava completamente generalizado". Agora com 43 anos, Armstrong viu as suas sete camisolas amarelas serem-lhe retiradas e o seu nome apagado do livro da Volta a França por ter participado no "maior sistema de dopagem da história do desporto". "Gostaria de mudar o homem que fez aquelas coisas. Talvez não a sua decisão, mas sim o modo como actuou", confessou. "Quando tomei aquela decisão, quando a minha equipa tomou essa decisão, quando o pelotão completo tomou aquela decisão, foi uma má decisão e num momento inoportuno, mas aconteceu".

Miss Universo 2014 é colombiana

 
A colombiana Paulina Vega, de 22 anos, ganhou o concurso de beleza Miss Universo referente ao ano passado no domingo em Miami, nos EUA. Tratou-se da segunda vitória da Colômbia na história do concurso de beleza, sucedendo à vencedora de 1958, Luz Marina Zuluaga. Em segundo lugar figurou a norte-americana Nia Sánchez e, em terceiro, a ucraniana Diana Harkhusa.

 
A Colômbia não é só cocaína...

Papa compara propaganda LGBT à propaganda nazi

 
O Papa Francisco é capaz de ser o Papa mais filtrado de toda a História. Depois de recentemente o terem acusado de ter dito que os católicos não precisam ou não devem procriar-se como coelhos, agora esqueceram-se de dizer que ele comparou, ainda na conferência de imprensa no avião durante o regresso da visita que fez ao Sri Lanka e às Filipinas, a propaganda LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros), que ele chamou "colonização ideológica" que ataca a família, com a propaganda nazi.
E com esta propositada omissão da verdade, os grande média vão conseguindo manter a imagem por eles criada do Papa que tanto agrada à escumalha anticristã, irreligiosa ou esquerdista. Portanto agora já sabeis: as palavras deste Papa passam ou não despercebidas conforme as conveniências e estas que Sua Santidade proferiu não convinha de modo nenhum ser realçadas.

A maior marcha de sempre contra o aborto

 
Decorreu em Washington, EUA, a maior marcha de sempre a favor da vida. O March for Life, que acontece todos os anos no dia 22 de Janeiro, aniversário do julgamento Roe VS Wade que estabeleceu o direito constitucional ao aborto nos EUA em 1973 e que já custou mais de 59 milhões de vidas, reuniu este ano cerca de meio milhão de pessoas. Entre os manifestantes havia pelo menos uma pessoa que levava uma imagem da Nossa Senhora de Fátima e uma faixa que dizia America needs Fátima (a América precisa de Fátima).
À excepção dos meios de comunicação católicos e conservadores como o National Catholic Reporter ou a Renascença, esta notícia passou propositadamente ao lado da imprensa. Para os grandes média a vida é uma banalidade e este tipo de coisas não interessa a ninguém, logo não convém chamar a atenção que é para continuar a influenciar a informação. Se fosse uma manifestação a favor do aborto, aí sim, seria manchete.

Aceitem já a Turquia na UE, seus islamofóbicos!

 
O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, que está apostado em trair o legado do laico Kemal Atartük e transformar a Turquia num verdadeiro Estado islâmico, puxou a cartada da islamofobia para forçar a União Europeia (UE) a aceitar a Turquia como membro. "Estamos a pôr a prova a Europa. Pode a Europa digerir uma Turquia cujo povo é islâmico? Poderá acolhê-la como membro? Está contra a islamofobia ou não? Se está contra deve aceitar a Turquia", disparou Erdoğan. "De outro modo, confirmar-se-ia a tese de que a UE é uma união cristã", acrescentou. Mesmo assim, fez questão de dizer que a Turquia "não está a bater à porta e pedir um favor" porque "não é importante se a UE aceita ou não a Turquia".
Deve ser, deve. Não é nada importante, mas a verdade é que a Turquia já pede a adesão à então CEE muito antes de Portugal ter formulado o pedido de adesão... E essa da "união cristã" realmente tem muita piada. Se a UE fosse de facto uma "união cristã" não haveria espaço para o secularismo e o laicismo, quanto mais para os conspiradores da Nova Ordem Mundial na cúpula. E como é que poderia existir a islamização se a UE fosse mesmo uma "união cristã"? Para problemas com os muçulmanos já bastam o que a UE, e a Europa em geral, tem, não é preciso acrescentar um enorme problema que seria a entrada da Turquia na comunidade. E, já agora, e só mesmo por acaso, quem é que fala da cristianofobia que é real e existe a nível alarmante em países islâmicos e também mesmo no seio da própria UE que é uma "união cristã" como ignorantemente disse Erdoğan??

Até quando vamos permitir?




 
in O Clarim

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Posta de José Pinto-Coelho no Facebook (21/01/15)

A Presidente da Câmara de Paris vai processar a Fox News por esta ter afirmado que há bairros em Paris onde não se deve ir pois parecem-se mais com Bagdade. Mas por acaso isso é mentira? É a pura verdade.
Estas fotografias tirei-as eu no centro-norte de Paris. Foi só sair do metro e voltar logo lá para dentro... Afinal, são ruas onde é impossível circular-se livremente.



Ah sim, mas a tal liberdade de expressão é só para o pasquim Charlie e outros que tais. Para quem profere verdades incómodas, a música é outra...

Notas soltas


O Marítimo derrotou o Futebol Corrupto do Porto por 1-0 no Estádio dos Barreiros, na Madeira, e ajudou o Benfica na luta pelo título. Bruno Gallo apontou o único golo da partida com um remate em vólei, o único remate enquadrado com a baliza adversária feito pelos insulares durante todo o jogo, ao minuto 32, e o guarda-redes da equipa da casa, o francês Salin, foi considerado o melhor em campo. O técnico dos corruptos, Julen Lopetegui, recusa-se a atirar a toalha ao chão e disse que o Marítimo era "um adversário muito mais difícil que o Benfica" (andou a beber, pobre coitado...).
Vamos lá ver se o Benfica logo cumpre a sua obrigação, isto é, vencer em Paços de Ferreira, para alargar a distância pontual para nove pontos.
 

Não jogou o Glorioso de Portugal mas jogou o de Macau. Na 2.ª jornada da Liga de Elite houve um sempre escaldante clássico entre o Sport Macau e Benfica e o Sporting Clube de Macau, as duas principais equipas de matriz portuguesa de Macau e também do próprio campeonato macaense, no Estádio da Universidade de Ciência e Tecnologia, na Taipa, que terminou com um empate a uma bola. Os encarnados do território adiantaram-se no marcador através de um penalty convertido por William mas os lagartos do território, apostados no jogo em contra-ataque, chegaram à igualdade já depois do minuto 90 através de Gaspard Laplaine.
 
 
Surpresa em Inglaterra: o Chelsea e o Manchester City foram despachados da Taça de Inglaterra pelos modestos Bradford City, com um dos golos a ser marcado pelo português Filipe Morais (na foto), e Middlesborough, da segunda divisão. Os blues, a jogar em casa, chegaram a ter uma vantagem de dois golos, mas acabaram por ser surpreendidos com quatro golos da equipa visitante. "Frustração não é a palavra certa, vergonha será mais apropriada", afirmou José Mourinho.
 

Hecatombe política já esperada na Grécia: os radicais de extrema-esquerda do Syriza (Coligação da Esquerda Radical) venceram as eleições sem maioria absoluta. É de esperar que os gregos se vejam mesmo gregos agora que deram uma resposta cabal aos poderes há muito instalados na política grega. Em Portugal, a ranhetice esquerdista, como a Ana Gomes, o António Costa, a Catarina Martins (Bloco do Esquerdume, irmão português do Syriza) e o PCP congratularam-se com o sucedido. Também em Espanha, o líder do Podemos (irmão espanhol do Syriza), Pablo Iglesias, vibrou com a vitória do partido que só tem 11 anos de existência e acredita que a "esperança está a chegar".
Tenho mesmo imensa curiosidade em ver a merda que o Syriza vai agora fazer na Grécia. Os restantes países do mundo que estejam atentos.
 
 
Um mega projecto turístico que envolve a construção de aterros na orla costeira de Malaca, na Malásia, está a ameaçar a subsistência dos pescadores e do próprio património histórico e cultural do país que é o Bairro Português de Malaca (Kampung Portugis). O Melaka Gateway, que pretende ser a maior marina privada do sudeste asiático, já mereceu um vivo protesto que reuniu cerca de 80 pescadores e a Associação Portuguesa Euro-Asiática de Malaca. "O encolhimento do mar poderá ter um sério impacto na nossa herança e na tradição de celebrar o São Pedro, que é uma comemoração intimamente ligada aos pescadores. Como o bairro também é uma atracção turística, o desaparecimento da orla marítima vai afectar o turismo", avisou Raymond Lopez, regedor do bairro. Segundo alegam, os representantes da "comunidade portuguesa" não foram ouvidos sobre os planos de desenvolvimento.
 
 
Na Nova Jérsia, EUA, o afro-americano Jerame Reid, de 36 anos, foi abatido pela polícia no passado dia 30 de Dezembro. Jerame estava num carro que não parou num sinal Stop e que foi mandado parar pela polícia. Os dois agentes que se aproximaram do carro - um deles também afro-americano, Braheme Days - repararam que havia uma arma no porta-luvas e disseram repetidas vezes a Jerame - que tinha cadastro criminal - para não se mexer, mas este, a dada altura, saiu do veículo de mãos vazias e foi logo abatido pelos dois polícias.
Como o agente Braheme Days também é afro-americano, parece que já não se pode falar de "racismo". Tivesse o Jerame acatado as ordens da polícia e ainda hoje estaria vivo...
 
 
O refugiado eritreu muçulmano Khaled Idris Bahray, de 20 anos, foi encontrado morto no dia 13 de Janeiro no pátio do edifício onde vivia em Dresden, palco das manifestações da PEGIDA, e o esquerdume alemão não perdeu a oportunidade de acusar os "racistas" anti-imigração da PEGIDA pelo "episódio de violência racista e islamofóbica". Afinal veio-se a saber que o homem que apunhalou Khaled até à morte é também um refugiado, ainda por cima um compatriota seu que também é muçulmano e que já confessou o crime, e ficou tudo caladinho...
 
 
Mais um português do Estado Islâmico (EI) que bateu as botas: Mikael Batista (à frente, à direita), que na verdade possuía também a nacionalidade francesa, na sequência de vários raides aéreos da coligação internacional em Kobane, na Síria. Mikael, de 23 anos e filho de flavienses, vivia em Paris, onde se converteu ao islão e adoptou o nome Omar al Fransi em 2009, antes de se juntar ao EI em 2013.
É menos um.
 

Em Itália, uma freira de 35 anos natural do Burundi deu entrada no hospital "com fortes dores abdominais" e acabou por dar à luz um filho por lá porque, dizia ela, "não sabia que estava grávida". É o segundo caso do género no país transalpino depois de no ano passado uma freira salvadorenha de 32 anos também ter dado à luz sem saber porquê (sim, sim...).
Apenas e só mais uma mulher - pois antes de ser freira é apenas uma mulher - inconsciente ou burra. Ou então é gozona.
 
 
O herege Pe. Anselmo Borges ("padre"??), conhecido pelo seu modernismo (é abortista, por exemplo), considera a Igreja Católica "a última grande instituição que continua machista e que discrimina as mulheres" e acredita que a ordenação de mulheres será "inevitável".
Seria mesmo muito bom que esse padreco da treta estudasse a doutrina da Igreja que supostamente deveria servir como "sacerdote". Que vá mas é repensar a sua ordenação, pois porque para ser padre é preciso defender a crença na qual acredita. Antigamente excomungava-se com mais facilidade os hereges...

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Às Vezes

O Blogue do FireHead não será actualizado este fim-de-semana porque eu vou estar em Zhuhai. Para celebrar o descanso do guerreiro, deixo-vos aqui a música Às Vezes, o novo som dos D.A.M.A., um trio musical português composto pelos jovens Francisco Pereira, de 25 anos, Miguel Coimbra, de 24, e Miguel Cristovinho, de 23. Eles são a banda do momento e possivelmente vão dar que falar.

Vimeo distingue beleza natural de Portugal

O vídeo do fotógrafo e realizador português Daniel Pinheiro, que mostra paisagens e espécies portuguesas únicas, foi distinguido pelo site de partilha de vídeos Vimeo com o prémio The Awarde Company.
 

Dez mudaram de sexo em 2014


Maioria dos casos é de cirurgias para mudança do sexo feminino para o masculino.
 
Dez portugueses mudaram de sexo em 2014. O Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra, que possui a única unidade do Serviço Nacional de Saúde para este tipo de cirurgias, realizou sete faloplastias – mudança de sexo feminino para masculino – e três vaginoplastias.
 
O processo, que envolve várias operações, "pode demorar entre dois a quatro anos", refere Lígia Fonseca, directora da Unidade de Reconstrução Génito-Urinária e Sexual (URGUS) de Coimbra. Cada um dos protocolos custa ao Estado entre 40 a 50 mil euros e, desde 2011, foram gastos mais de um milhão de euros em mudanças de sexo.
 
As mulheres são quem mais procura o procedimento: representam 70% dos casos. Actualmente, são acompanhadas na URGUS 125 pessoas. Destas, 37 estão em fase de avaliação, 41 em tratamento hormonal e 25 em fase de cirurgias. A directora da unidade admite que a lista de utentes "tem vindo a aumentar", apesar de nem todos os casos avançarem para a cirurgia.
 
 
Fonte: CM

Os muçulmanos em Macau são atrevidos

Por estas bandas, a Associação Islâmica de Macau pretende construir uma nova mesquita e ter também um restaurante de comida halal, serviços de aconselhamento e salas de aulas para a endoutrinação islâmica. A proposta foi apresentada ao governo mas ainda não se sabe se será ou não aprovada (esperemos bem que não!). O secretário-geral da União Islâmica de Hong Kong, Rahmatullah Mohamed Omar, afirmou que um centro islâmico com salas de aulas é muito importante porque "temos que educar as pessoas, dizer-lhes o que é o islão, explicar que não é uma religião de violência, é de paz e compaixão (sim, sim, e depois não vos esqueceis de mostrar aos parolos os versículos alcorânicos e os hadiths que incitam claramente à violência e à morte dos "infiéis"...)". "Há muita gente que não vai a Macau porque não tem onde comer e tem poucas condições para rezar (olha que bom, é de maneira que não se vê tantos muslos por aqui!!)". O muslo sublinhou ainda a urgência da construção da nova mesquita porque a actual (e única) não comporta mais do que meia centena de crentes, lembrando também que em 2013 mais de 3000 pessoas tiveram de "rezar na rua" aquando do Eid (festival islâmico que celebra o fim do Ramadão, com sacrifícios de animais de forma bárbara).
Urgente mesmo é o governo macaense pôr rapidamente os olhos no exemplo da mãe-pátria China que tão bem sabe lidar com os muçulmanos. Ainda não há muito tempo, uns quantos muçulmanos foram abatidos pelas autoridades sem dó nem piedade em Xinjiang, uma das duas províncias chinesas de (ainda) maioria muçulmana...

Exército islâmico australiano para impor a 'sharia'


Na Austrália, os muçulmanos querem criar um exército islâmico para impor a lei bárbara da sharia a todas as pessoas que vivem no país dos marsupiais. O líder da fracção australiana do grupo terrorista palestiniano Hizb ut-Tahrir (حزب التحرير‎ - Partido da Libertação), que tem como objectivo unir todos os países sob um califado mundial (khilafah) governado pela sharia, garantiu a uma pequena multidão de muçulmanos que vão continuar a erguer-se e a opor-se à liberdade dos ocidentais de insultar o porco pedófilo e assassino do Maomé, bem como a sua criação adoradora do ídolo demoníaco árabe da lua.

Código penal do EI

O Estado Islâmico (EI) publicou o seu Código Penal baseado na lei bárbara da sharia onde estão listados crimes puníveis com amputação de membros para quem rouba, chicotadas para quem bebe, lapidação para as adúlteras e crucificação por "banditismo". O documento, intitulado "Clarificação do hudud", foi publicado pelo EI e após a sua divulgação seguiu-se uma onda de violentas execuções em apenas 48 horas.
 
Uma mulher acusada de se prostituir foi sumariamente executada:
 

 
17 homens acusados de apostasia foram crucificados:
 
 
Dois homossexuais foram atirados de um edifício:



Oito polícias iraquianos acusados de espionagem foram executados:
 
 
13 jovens foram executados por assistirem a um jogo de futebol na TV:
 
 
As execuções procedem a julgamentos de fantochada feita em breves minutos e dão-se enquanto as pessoas gritam "Allahu Akbar".
 
É agora que os esquerdistas e os politiqueiros correctos do costume dizem com a maior das indignações: "o islão é pacífico, porra! Esses gajos do EI são uma cambada de fundamentalistas e fanáticos porque o Alcorão é um livro que prega a paz, a tolerância, o amor, etc. Estes gajos não são muçulmanos porque insultam o islão com os seus actos! O verdadeiro islão é moderado e o camandro!"

O problema é que não existe algo como o "islão moderado":
 
 
"Allahu Akbar!!"

Mais uma portuguesa morta em Angola


Soube através do Totalitarismo Universalista, do blogueiro Afonso de Portugal, que a portuguesa Rita Cristina Fernandes, de 37 anos e directora financeira de uma multinacional de prospecção petrolífera em Luanda (Angola), foi raptada, espancada e asfixiada até à morte por dois homens, sendo um deles seu colega da empresa. A vítima, natural de Faro, terá sido levada pelos homens quando regressava de um jantar com amigos e alvo de uma tentativa de extorsão de dinheiro. A edição online do Jornal de Notícias não informa se os dois homens (um deles já confessou o crime) são também portugueses ou se são angolanos ou detentores doutra nacionalidade qualquer, nem se são brancos, negros, amarelos ou mestiços. A mesma fonte indica também que em Angola vivem actualmente cerca de 200 mil portugueses. Ou seja, cerca de 200 mil potenciais vítimas.

Parlamento chumba legalização da adopção por «casais gay»

 
O Parlamento chumbou esta quinta-feira os projectos da abominável lei que legaliza a adopção de crianças por parte de "casais" de aventesmas.
A luta dos súcias, bloquistas e ecologistas verduscos - naturais aliados do homofascismo e do nazismo LGBT - continua...

O Benfica é o 26.º clube mais rico do mundo

 
O Benfica voltou a ocupar de novo o lugar do clube português mais rico do mundo, estando entre os 30 que mais receitas geram. Segundo o Money Football League, da consultora Deloitte, o Benfica foi considerado o 26.º mais rico no último ano, com um valor de 126 milhões euros. O Real Madrid continua a liderar a lista pelo 10.º ano consecutivo, com um total de 545,5 milhões de euros de receitas, logo seguido novamente pelo Manchester United (518 milhões) e pelo Bayern de Munique (487,5). O grande rival dos madridistas, o Barcelona, surge em quarto (484,6). À frente do Benfica estão ainda Paris Saint-Germain (474,2), Manchester City (414,4), Chelsea (387,9), Arsenal (359,3), Liverpool (305,9), Juventus (279,4), Borússia de Dortmund (261,5), AC Milan (249,7), Tottenham (215,8), Schalke 04 (213,9), Atlético de Madrid (169,9), Nápoles (164,8), Inter de Milão (164), Galatasaray (161,9), Newcastle (155,1), Everton (144,1), West Ham (137,4), Aston Villa (133), Marselha (130,5), AS Roma (127,4) e Southampton (126,9).

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Taça da Liga: Benfica nas «meias»


 
O campeão nacional apurou-se para as meias-finais da Taça da Liga. Na 3.ª jornada do grupo A, o Benfica deslocou-se a Moreira de Cónegos para derrotar a equipa da casa por 2-0, golos de Jonas e Derley. "Fizemos o que nos competia, mais uma vez não sofremos golos e estamos nas meias-finais", disse Jorge Jesus. Com este resultado, o Benfica já vai em sete vitórias consecutivas sem sofrer golos.
Já agora, para quem andou a cuspir para o ar, em Braga houve um escandaloso empate que favoreceu a equipa visitante e que levou até mesmo o presidente portista do clube braguista a insurgir-se contra a arbitragem. Orgulhosos dos seus jogadores podem estar mesmo o Lopetegui e o Pinto da Costa (muito bom para quem não quer nada com a Taça da Liga...), que viram pela segunda vez consecutiva os seus jogadores ganharem com a ajuda dos homens do apito. Menos sorte teve o Sporting que foi derrotado pelo Belenenses no Restelo por 3-2 depois de ter estado a vencer com dois golos de vantagem.

A malta de Hong Kong não pode agir como estrangeira perante a China

 
Mais um recadinho da cúpula para a malta chinesa de Hong Kong e eventualmente para a de Macau: o primeiro chefe do Executivo de Hong Kong, o xangainês Tung Chee-hwa, de 77 anos, disse que os habitantes chineses de Hong Kong, que é obviamente a sua esmagadora maioria, devem deixar de se comportar "como estrangeiros" em relação à China continental. Tung Chee-hwa defendeu esta posição a propósito das apertadas leis de segurança da China e que o deputado Stanley Ng Chao-pei quer ver implementadas na antiga colónia britânica, sendo, no seu entender, apenas uma questão de tempo até a região administrativa especial chinesa vizinha de Macau começar a alinhavar as suas próprias leis de segurança nacional. "A nossa nação está a começar a fortalecer-se e a sua importância está a crescer na arena internacional (o PIB da China cresceu 7,4% em 2014). De uma perspectiva de Hong Kong, não podemos agir como estrangeiros. Devemos saber que isto é importante e temos, um dia, de avançar com a legislação", afirmou.
Como Hong Kong foi entregue à China dois anos antes de Macau, ao abrigo da promessa de que nada mudará (nada mudará, como assim??) durante 50 anos, Hong Kong deverá estar totalmente integrado na China continental em 2047. O problema é que por este andar muito possivelmente o processo deverá estar concluído muito antes disso. E Macau idem.

A Coreia do Norte também gosta do capitalismo


De acordo com o jornal súcia macaense Tribuna de Macau, o capitalismo está a avançar silenciosamente naquele que é o único regime marxista-leninista do mundo: a Coreia do Norte. O comunismo norte-coreano, instalado na região depois da expulsão dos japoneses por parte dos soviéticos em 1945, parece que está a querer ficar igual ao comunismo chinês, ou seja, comunista só de nome e verdadeiramente capitalista. Consta que o líder Kim Jong-un decidiu avançar com reformas semelhantes às da China, a vizinha da Coreia do Norte, de modo a manter a estrutura e ao mesmo tempo melhorar o nível de vida da população. De acordo com o professor Andrei Lankov, docente da Universidade Kookmin de Seul, na Coreia do Sul, as empresas norte-coreanas já são capitalistas em tudo menos no nome: embora tecnicamente controladas pelo Estado, são administradas por um ou mais gerentes que maximizam os lucros e ficam com a maior parte do montante. O mesmo professor acredita que tal deve-se ao facto de Pyongyang já ter visto que não conseguirá liderar uma economia eficiente sem ser através da iniciativa privada.
A História comprova-nos constantemente que o comunismo não passa mesmo duma utopia. Só é pena a existência dos comunistas não ser também uma utopia.

O líder da PEGIDA armou-se em Hitler e demitiu-se

 
O líder do movimento PEGIDA (Patriotas Europeu contra a Islamização do Ocidente), Lutz Bachmann, demitiu-se esta quarta-feira depois de ter imitado o austríaco Adolf Hitler numa foto que foi divulgada pelos jornais alemães e que levou o Ministério Público a abrir uma investigação por alegadamente incitar à violência. Lutz escreveu ainda no Facebook que os requerentes de asilo são "gado", "sem vergonha" e "ralé". "Peço sinceras desculpas", admitiu o próprio. A porta-voz da PEGIDA, Kathrin Örtel, descartou-se do sucedido dizendo que as palavras de Lutz não estão dentro do vocabulário político da PEGIDA, embora explicou que Lutz apenas quis satirizar o recente romance de Timur Vermes, Er is wieder da ("Ele está de volta"), que parodia o eventual regresso do Führer.
O que muita gente não sabe, não quer saber ou finge não saber é que o Hitler era amigo dos muçulmanos. "A única religião que eu respeito é o islão. O único profeta que eu admiro é o profeta Maomé", chegou a dizer o Führer. Segundo Albert Speer, arquitecto que foi ministro de Armamento do Hitler, o islão "era a religião que acredita na difusão da fé pela espada e subjugar todas as nações pela fé. Tal credo era perfeitamente adequado para o temperamento germânico". Também o psicólogo Carl Jung, dos anos 30 do século passado, disse que Hitler "é como o Maomé. A emoção na Alemanha é islâmica: guerreira e islâmica. Eles estão todos bêbedos com o deus selvagem. Isto pode ser o futuro histórico". O próprio Hitler considerava que os europeus têm uma religião errada (Cristianismo), assim mansa e flácida: "Por que não temos a religião dos japoneses, que consideram o sacrifício pela pátria como o bem supremo? A religião maometana (islâmica) também teria sido muito mais compatível para nós do que o Cristianismo".
Comprova-se assim, uma vez mais, que o nazismo é clara e verdadeiramente anti-Ocidental, pois é anticristão e pró-islâmico. Tanto o nacional-socialismo como o islamismo são duas ideologias expansionistas que visam destruir a superior civilização humana. Não é por acaso que actualmente muitos adeptos do nacional-socialismo se dizem ateus ou agnósticos que é para se descartarem da parte do nazismo e o islamismo andarem de mãos dadas. Contudo, não conseguem jamais deixar o crónico e doentio ódio em relação aos judeus e Israel, uma coisa herdada da aliança islamonazi.

E se a nossa galáxia for um túnel através do espaço-tempo? Cientistas mostram que é possível

 
Um grupo de cientistas provou que, em teoria, a Via Láctea poderá conter um 'wormhole', como o do filme 'Interstellar'. "Mas fizemo-lo muito antes de o filme sair", sublinha um dos autores do estudo.
 
Um grupo de cientistas italianos, indianos e norte-americanos mostrou num estudo que é possível que a nossa galáxia contenha um túnel que permite viajar através do tempo e do espaço, tal como no filme Interstellar.
 
"Obviamente não estamos a dizer que a nossa galáxia é de certeza um wormhole, mas simplesmente que, de acordo com os modelos teóricos, a hipótese é uma possibilidade", contou um dos responsáveis pelo estudo, Paolo Salucci, num comunicado da SISSA (Escola Internacional para Estudos Avançados), em Trieste, Itália.
 
O estudo, publicado na revista científica Annals of Physics, confirma que é possível que existam túneis deste género, chamados wormholes, "na maioria das galáxias espirais", como é o caso da nossa, a Via Láctea. Wormhole é a palavra inglesa usada para descrever uma espécie de túnel através do espaço e do tempo, através do qual seria possível viajar para surgir noutro lugar e noutra altura no universo. Trata-se de um conceito hipotético que existe na Física há muito tempo, mas que recentemente tem tido mais destaque graças ao filme Interstellar.
 
"O que tentámos fazer no nosso estudo foi resolver a mesma equação em que trabalha a astrofísica do filme, Murph," conta Paolo Salucci. "Mas fizemo-lo muito antes do filme sair. É um problema muito interessante para o estudo da matéria escura".
 
Salucci explica que os cientistas obtiveram os seus resultados combinando um mapa muito detalhado da distribuição da matéria escura na Via Láctea, que a SISSA obteve num estudo realizado em 2013, com o mais recente modelo do Big Bang que explica a origem do Universo. "O resultado que obtemos é que a nossa galáxia poderia realmente conter um destes túneis, e que o túnel poderia ser do tamanho da própria galáxia. Mas há mais ainda", explica o autor. "Poderíamos mesmo viajar por este túnel, visto que, pelos nossos cálculos, seria navegável".
 
O mais importante da hipótese desenvolvida por este grupo de cientistas, porém, é que representa uma reflexão complexa acerca da natureza da matéria escura, diz Salucci.
 
A matéria escura é um dos mistérios da cosmologia actual. A matéria visível no cosmos representa menos de 10% de toda a matéria existente no universo. Os restantes 90% são compostos por matéria invisível - daí ser chamada "escura" -, cuja composição exacta é desconhecida, bem como a chamada "energia escura", que está distribuída por todo o espaço e tende a acelerar a expansão do universo.
 
Para testar a hipótese de Paolo Salucci de forma experimental, seria preciso comparar duas galáxias. O mais fácil seria comparar a Via Láctea com a Nuvem de Magalhães, que orbita em torno dela. No entanto, Salucci sublinha que "ainda estamos muito longe de qualquer possibilidade real de fazer uma comparação dessas".
 
Além de Paolo Salucci, que falou para o comunicado da SISSA, o autor principal do estudo é Farook Rahaman, da Universidade de Jadavpur, na Índia.
 
 
Fonte: DN

O mais antigo texto do Evangelho de São Marcos?

Segundo o sítio Live Science, cientistas canadianos encontraram um papiro com a cópia de um excerto do Evangelho de São Marcos datado entre os anos 80 e 90 numa múmia egípcia.
É sabido que o Evangelho de São Marcos é o mais antigo dos quatro Evangelhos canónicos, sendo as cópias mais antigas conhecidas do século II. Este novo dado acaba por ser assim precioso, pois permite provar a fidelidade na transmissão do texto e, sobretudo, provar que afinal o Evangelho de São Marcos é ainda mais antigo do que se supunha, sendo este achado o primeiro manuscrito do Novo Testamento de acordo com a Universidade Acadia (Canadá), uma vez que para ter sido encontrado no Egipto é porque teve de ser escrito ainda antes da destruição do Templo pelas tropas de Tito, no ano 70.
Isto é uma grande descoberta não só para os biblistas como também para o próprio Cristianismo. Só é pena a comunicação social preferir dar mais atenção aos supostos "evangelhos" de séculos posteriores e adversários do Cristianismo, como os apócrifos e os gnósticos, para justificarem outras alternativas ao Cristianismo e que na verdade não passam de tretas.

O Papa disse para os católicos não se procriarem como coelhos?


Gerou-se nos últimos dias um autêntico sururu internacional por o Papa Francisco ter alegadamente afirmado durante a viagem de regresso das Filipinas que os católicos não precisam de se procriar "como coelhos". "Algumas pessoas pensam... e desculpem-me as palavras, que para ser bons católicos temos de ser como coelhos. Não. Paternidade responsável. Isto é evidente", declarou Francisco numa conversa com jornalistas a bordo do avião a propósito da questão do planeamento familiar. Referido-se à "paternidade responsável", o Papa deu o exemplo de um caso que se passou com uma conhecida sua, que engravidou pela oitava vez, depois de ter tido já sete cesarianas. O Papa disse que "ralhou" com ela, perguntou-lhe se ela queria "deixar sete órfãos" e avisou para o perigo de "pôr Deus à prova" com esse tipo de atitude (a esmagadora maioria dos médicos "proíbe" as mulheres de ter mais do que três partos de cesariana). O problema é que muitos meios de comunicação, como por exemplo o esquerdista Público (ou Al-Público, como alguém gosta de dizer) que até chegou a publicar um discurso intelectualmente miserável de quem quer ver o mundo adaptado à sua maneira, trataram logo de distorcer e enviesar as palavras do Papa uma vez mais (já tinham anteriormente distorcido as palavras deste Papa sobre o facto dos animais irem ou não para o céu) quando na verdade ele em momento algum disse "procriar como coelhos" (falta de rigor dos média). Curiosamente, ainda esta semana o Sumo Pontífice renovou o elogio às famílias numerosas, essenciais para a vida da sociedade, criticando quem associa o número de filhos ao aumento da pobreza. "Dá gosto e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um dom de Deus. É comum ouvir dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de muitas crianças são causa de pobreza. Parece-me uma opinião muito simplista: a principal causa da pobreza é um sistema económico que retirou a pessoa do centro da vida e ali colocou o 'deus dinheiro'", afirmou.
Fica portanto exposto o facto de haver mentes distorcidas para tudo e que, essas sim, proliferam como coelhos! Quem me conhece sabe que eu não gosto deste Papa, mas quando é preciso eu também sei defendê-lo.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O custo de vida no mundo

 
Segundo o infográfico supra, os países com o custo de vida mais caro do mundo são a Suíça, a Noruega e a Venezuela, e os que têm o mais baixo custo de vida são a Índia, o Nepal e o Paquistão. Portugal não está assim muito mal, pois está ao mesmo nível do Brasil, de alguns países africanos como a Namíbia e Moçambique, da Arábia Saudita, da Mongólia e de Taiwan.
Só não consigo perceber como é que o custo de vida na China consegue ser superior a Portugal. Há aí qualquer coisa que não está a bater certo.

A ascensão da China

Em Portugal, o investigador do Instituto do Oriente Paulo Duarte lançou o livro "Metamorfoses no poder: rumo à hegemonia do dragão", que fala do crescimento económico da China. "O meu objectivo é no fundo desmistificar a tese da 'ameaça' chinesa neste novo século", disse o académico. "A ascensão da China é um tema quente nas relações internacionais e que é fundamental dar a conhecer um pouco mais acerca das reais intenções da China a um público vasto, ansioso por saber quem é afinal o gigante chinês e o que pretende ele neste novo século".
Pode-se ler assim na sinopse: "Chegou a hora! O ponto do não-retorno foi atingido, pelo que a ascensão da China é irreversível e incontornável. O que nos espera então? Uma mudança do equilíbrio no poder mundial susceptível de destronar o Hégemon e coroar o dragão? Perguntas possíveis, respostas incertas num presente volátil recheado de horizontes tão ou mais imprevisíveis. Como advertia Sun Tzu, 'A suprema arte da guerra consiste em derrotar o inimigo sem lutar'. Ora, o dragão não luta mas discreta e subtilmente ganha terreno. Mas será o chamado 'perigo amarelo' uma real ameaça ou apenas um mito? A resposta não é evidente, sendo que a presente obra pretende tão somente ser um farol para ajudar a discernir com mais clareza os desafios e tempos que se avizinham".
Segundo o Gabinete Nacional das Estatísticas da China, apesar do abrandamento da economia chinesa, esta continua "firme" e "correspondeu às expectativas do mercado". O presidente Xi Jinping, cujo salário vai subir 60%, para 11,385 yuan (cerca de 14.630 patacas ou qualquer coisa como 1400 euros) - o primeiro aumento no funcionalismo público chinês em quase uma década -, disse recentemente numa conferência em Pequim que o crescimento da "nova normalidade" será "impulsionado sobretudo pelo consumo e a inovação" e será "mais sustentado", sem os enormes custos ambientais que a rápida industrialização provocou na China.
Entretanto, a população chinesa continental atingiu os 1.370 milhões em 2014, um aumento de 0,52% em relação a 2013, sem contar com as populações das regiões administrativas especiais de Hong Kong (7,2 milhões de habitantes) e de Macau (630 mil).
Sem dúvida nenhuma que por este andar a China vai-se tornar na principal potência mundial num futuro não muito distante.

Apoiante brasileiro do EI

 
No Brasil, a emissora da TV americana CNN fez uma reportagem sobre os muçulmanos que vivem no Brasil com o intuito de mostrar que o islão é mesmo a "religião da paz" e que "apenas uma minoria é violenta" quando, numa mesquita, vários muçulmanos disseram, em directo, que discordam da "pregação pacífica" e que são todos a favor da violência e do terrorismo. Durante a filmagem, um dos muçulmanos que estavam na mesquita levantou-se furioso e começou a defender o Estado Islâmico (EI), as decapitações, a necessidade do terrorismo, etc. para se cumprir os preceitos do Alcorão. O gajo até tinha uma camisola com a sigla do EI vestida...
O tiro saiu pela culatra. Allahu Akbar!